Festa clandestina com mais de 200 pessoas é interrompida pela Polícia Civil

Mais de 200 pessoas, sem máscara e festejando. Um movimento, em uma chácara na Estrada da Maioba, em São José de Ribamar, que recebeu a visita da Polícia Civil e foi interrompido, na noite da sexta-feira (5).

Para não chamar a atenção, os carros estavam estacionados dentro da área do imóvel. Segundo a polícia, ninguém usava máscara. Até os carros eram colocados para dentro de uma chácara, para não levantar suspeitas.

A operação envolveu as polícias Militar e Civil, e agentes do Ministério Público do Maranhão (MPMA). O delegado do caso, Walter Wanderlei, destacou que a polícia chegou logo no início. “Estavam vendendo bebidas e ninguém usava máscara. Os congeladores estavam abastecidos com bebida alcoolica”, disse.

O delegado informou ainda que festa tinha música ao vivo e os carros eram colocados para dentro do ambiente, para não haver suspeita. O convite para o evento foi feito sem indicar o local. Os convidados só saberiam no dia da festa.

Na ocasião, seguranças foram detidos como cúmplices da festa, mas liberados na delegacia. O suspeito de ser o líder do evento, identificado como ‘Bruno’, conseguiu fugir pulando um muro.

A polícia não fez imagens da festa acontecendo, apenas depois que foi interrompida. A operação, chamada ‘Harpócrates’, ocorreu por conta das novas medidas de restrição a aglomerações impostas pelo Governo do Maranhão, que vão até o dia 14 de março.

O Governo do Estado, por meio de decreto, proibiu a realização de eventos nos quatro municípios da Grande Ilha – São Luís, São José de Ribamar, Paço do Lumiar e Raposa –  por conta da alta no número de casos do novo coronavírus.