Foto: Câmara Federal (Divulgação)

Rodrigo Maia diz que não tem ‘dúvida nenhuma’ de que Pazuello cometeu crime

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse não ter dúvidas de que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, cometeu crime ao conduzir a pasta durante a pandemia da covid-19 no país.

“Pelo menos o ministro da Saúde já cometeu crime, eu não tenho dúvida nenhuma. A irresponsabilidade dele (ao falar) de tratamento precoce, a irresponsabilidade de não ter respondido a Pfizer, a irresponsabilidade de não ter, como ministro da Saúde, se aliado ao Instituto Butantan para acelerar a produção daquela vacina, e não apenas a vacina da Fiocruz. Tudo isso caracteriza crime e a PGR (Procuradoria-Geral da República) está investigando”, disse Maia nesta segunda-feira, 25, na Câmara dos Deputados.

Carta da Pfizer, enviada ao presidente Jair Bolsonaro e à equipe de ministros ainda em setembro, faz apelo para que o Brasil fechasse um acordo para a compra da vacina da farmacêutica contra a covid-19 com celeridade, uma vez que havia alta demanda mundial pelo insumo. O Ministério da Saúde confirmou o conteúdo da correspondência no sábado (23). Para Maia, se a pasta não respondeu à carta, isso configuraria crime.

O presidente da Câmara ponderou, no entanto, que é necessário fazer uma investigação, inclusive para apurar qual é a responsabilidade do presidente Jair Bolsonaro nessa questão. Ele disse ainda que essa atitude comprometeu também o crescimento do país.

“Os crimes precisam ser investigados, por isso, defendo uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito)”, disse. “Pela incompetência e irresponsabilidade, no mínimo, do ministro da Saúde, não vamos ter crescimento de 7%, 8%, mas de 3%. Se o ministro da Saúde não respondeu a Pfizer, é crime. Não sei o termo técnico porque não sou advogado, mas para mim é crime”, enfatizou Maia

Maia também comparou o presidente Bolsonaro a um vírus. “Temos uma pandemia de coronavírus e temos outro vírus que circula pelo Brasil, e pelo mundo, que cega muito as pessoas em relação a esse nacional populismo, que teve a primeira derrota com (Donald) Trump”, disse Maia. “Todos os que se aproximam desse vírus, do nacional populismo, representado pelo presidente da República, acabam contaminados”, avalia.