Rússia bombardeia escola que abrigava 400 pessoas na Ucrânia

Forças russas bombardearam uma escola de arte na cidade ucraniana de Mariupol, cercada pela Rússia, disse o conselho municipal da cidade, neste domingo (20). De acordo com os ucranianos, 400 pessoas estariam abrigadas na escola. Não havia informações sobre o número de vítimas do ataque, mas o prédio teria sido destruído e haveria pessoas sob os escombros. Hoje, o conflito entre os dois países chega ao 25º dia.

Mensagem divulgada nos canais oficiais do conselho, no Telegram, informa que mulheres, crianças e idosos estavam abrigados na escola de arte. A mensagem ainda acusa os russos de crimes de guerra, seguindo a linha do discurso do presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky. Ele disse que o cerco a Mariupol “entraria para história pelos crimes de guerra cometidos”.

A Rússia diz ter usado, pela primeira vez, mísseis hipersônicos Kinzhal. O ataque, de acordo a agência estatal, teve o propósito de destruir um local de armazenamento de armas no oeste da Ucrânia. Porta-voz do exército ucraniano confirmou o ataque ao depósito, mas não o tipo de míssil usado.

Os mísseis hipersônicos Kinzhal  são mais destrutivos que os comuns. Têm capacidade de atingir alvos a 2 mil quilômetros de distância. Além disso, atingem velocidade dez vezes maior que a do som e viajam a seis mil quilômetros por hora.