Foto: Perkins

Sistema de distribuição eficiente de água reduz uso de recursos no agronegócio

Com utilização para fim doméstico ou industrial, a motobomba é essencial quando há necessidade de transportar água em pequenas ou grandes quantidades. No Brasil, o setor agropecuário é o que mais consome água doce, segundo a Agência Nacional de Água (ANA). Pelo setor são gastos cerca de 70% de água.

Diante do alerta de crise hídrica em diversas regiões do país, a preocupação em reduzir o uso de recursos naturais passa por diversos setores que precisam de água para manter a produtividade. Atualmente, a economia do recurso no setor agrícola conta com métodos alternativos para a distribuição de água eficiente, o que ajuda a controlar os gastos. A motobomba pode atuar como um equipamento que atua em transferência de líquidos, sistemas de pulverização agrícola e aplicações de água.

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) no Brasil, aponta que a cada segundo, são retirados dos rios 2,3 milhões de litros para uso industrial. Setores de fabricação de alimentos, bebidas, cosméticos e demais que lidam com armazenamento, resíduos e coletas de produtos, possuem o desafio de impor ações colaborativas para a preservação ambiental. Para isso, pode-se contar com a substituição de um maquinário que requer muito uso de água e energia, por equipamentos que reduzem perdas como vazamentos e gastos necessários.

Sendo uma alternativa tecnológica e econômica, o motor de motobomba pode ser usado em distribuição de água no geral, pois conta com um filtro que garante a qualidade da água para seu uso. Além disso, as variedades para o setor agrícola podem incluir sistema de irrigação para o campo, cultivo de terra, solos e pastagens. Somado à redução do recurso hídrico, os motores tipo motobomba blindados podem suportar altas temperaturas e proporcionar redução significativa também no consumo de energia.