Rússia vaza planos de negociação para gerar crise, diz Ucrânia

A quarta semana da invasão russa ao território ucraniano começou com os dois países trocando críticas a respeito das negociações para o fim do conflito. A divulgação de um suposto plano de paz, nesta quinta-feira (17), gerou irritações em autoridades ucranianas.

“Os russos estão fazendo tentativas informativas ativas para desestabilizar a opinião pública em nosso país. Provocar conflitos internos”, disse hoje Mykhailo Podolyak, negociador ucraniano e conselheiro presidencial. A Rússia disse que tem colocado uma energia colossal nas negociações. A Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) disse que pode interferir no conflito. Para a França, os russos “fingem” negociar com a Ucrânia.

A guerra entra hoje em seu 22º dia com novos ataques à capital da Ucrânia, Kiev, e com o governo ainda avaliando a situação na cidade portuária de Mariupol, que teve bombardeado um teatro que abrigava civis com a palavra “criança” escrita do lado de fora; detalhes sobre o ocorrido ainda não estão claros e autoridades ucranianas falam em sobreviventes.

Também nesta quinta, o governo ucraniano conseguiu liberar corredores humanitários para evacuação. Cerca de 3,2 milhões de pessoas já deixaram a Ucrânia, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU).